10 erros mais comuns que podem causar queda ou problemas nos drones

Problemas nos Drones são causados por mau uso ou imperícia na pilotagem

Pilotar drones muitas vezes pode parecer uma tarefa muito simples e intuitiva, mas alguns detalhes mais técnicos podem ser cruciais para definir a durabilidade do seu Drone, evitar problemas nos drones e garantir a segurança da operação durante um voo.

“As pessoas tendem a tirar o Drone da caixa e realizar o primeiro voo sem nem mesmo abrir o manual”, diz Eduardo Mammana, experiente instrutor do Curso de Pilotagem de Drones da Futuriste.

Esta realidade da falta de informação e treinamento acaba causando uma série de quedas dos Drones, manutenções e custos que poderiam ser evitados.

Segundo um levantamento da Assistência Técnica de Drones da Futuriste, aproximadamente 70% dos problemas com Drones poderiam ser evitados caso os pilotos tivessem tomado precauções simples e observado alguns sinais importantes da telemetria dos seus equipamentos.

Ainda 90% dos problemas com os Drones que chegam para manutenção na Futuriste foram causados por mau uso ou imperícia na pilotagem das aeronaves.

“A média de valores de manutenção de um drone DJI varia de R$ 500,00 a $ 1.500,00”, afirma Fernando Arenas, gerente da Futuriste.

Veja como evitar erros comuns que podem causar problemas nos Drones

Como nós da Futuriste estamos sempre dispostos a ajudar, aconselhamos que você invista um pouco de tempo e dinheiro na sua capacitação e fique ligado nas dicas que damos aqui no nosso blog, você vai ver como vai se sentir muito mais seguro e preparado pra pilotar seu drone.

Vamos às dicas:

Como fixar as hélices do drone dji para evitar problemas nos drones

1 – Má fixação das hélices

A maior parte dos drones mais populares do mundo possuem hélices com trava ou que acabam apertando mais com a rotação contrária dos motores.

Mesmo assim, ainda há muitos incidentes com Drones devido às hélices que escapam quando os motores aumentam sua rotação, muitas vezes já em pleno voo, o que fatalmente causará a queda do equipamento.

Solução: Coloque em um checklist de pré voo a verificação das hélices.

2 – Configuração incorreta do Return to Home

O retorno ao ponto de partida, return to home ou return to launch, nomenclaturas utilizadas para função que faz o Drone retornar em caso de perda de sinal ou solicitação deliberada do Piloto, em muitos momentos salva a operação. Porém esta função também pode ser fatal caso não seja configurada ou seja mal configurada.

O ideal é que a configuração leve em consideração o obstáculo mais alto na região da operação, para que quando for acionado o Drone suba o suficiente para desviar de qualquer coisa no caminho de volta. Pensando em prédios em um ambiente urbano, de 80 metros para cima você normalmente deverá ter uma altura mínima de retorno segura.

Solução: Configure o RTH do seu Drone para pelo menos 100 metros de altura.

3 – Pouso automático em local errado

Após a ativação do Return to Home você deverá escolher o que o Drone fará quando terminar de voltar. Caso você escolha a opção de pousar, você deverá ter a certeza de que ele fará o pouso no local correto, porque sempre tem aquela piscina ou riacho por perto, ou uma rua movimentada ou mesmo a cabeça de um desavisado pela rua.

Mas como saber se meu Drone vai pousar no local correto se o GPS do Drone nem sempre é preciso? Bom, o sistema de posicionamento dos Drones possui uma pequena margem de erro, mas o grande vilão aí neste caso, normalmente acaba sendo o próprio piloto.

O Drone baseia-se na informação de ponto inicial, chamada “GPS Lock”, que ocorre após um número mínimo de satélites serem identificados antes da decolagem. O problema é que muita gente não espera que o GPS Lock ocorra e decola o Drone, fazendo com que o GPS Lock ocorra no ar, já a alguns metros de distância do ponto de partida original e isto pode ser perigosíssimo.

GPS Lock DJI Phantom

Quando o Drone retorna, o piloto ainda tem a opção de cancelar o pouso, mas por falta de experiência ou mesmo de conhecimento, acaba deixando o Drone pousar por conta própria e no local errado, causando um acidente e danos ao equipamento.

Solução: Sempre cancele o pouso automático e o RTH quando o Drone chegar em algum ponto visual ou o sinal for retomado. Faça o pouso manualmente.

4 – Voando para trás ou lateralmente com FPV

Um dos erros mais comuns que um piloto pode cometer. Obviamente o FPV permite que você visualize apenas obstáculos a sua frente. Devido ao calor da operação ou ao ímpeto de realizar uma manobra, o piloto acaba esquecendo de se atentar para o que tem ao redor do seu Drone e um simples cabo de energia ou galho de árvore é o suficiente para colocar tudo a perder.

Solução: Antes de fazer uma manobra lateral ou para trás, mantenha-se na mesma altura e faça um giro 360° com o stick do Yaw observando tudo que tem ao seu redor. Desta maneira se tiver algum obstáculo você já consegue antecipar o risco da manobra.

5 – Meteorologia

Quando falamos em clima, podemos citar vários fatores como inimigos dos Drones.

Em primeiríssimo lugar consideramos o vento. Ele chega sorrateiramente e pega de surpresa pilotos desavisados e pouco experientes.

Vale lembrar que dificilmente o vento que está sendo medido em solo é igual ao vento que está soprando a 60 metros de altura, por isso acompanhar a meteorologia incluindo os ventos é vital para uma operação com segurança.

Sugerimos o site windy.com para ajudar com esta tafefa.

Consultar velocidade do vento para evitar problemas nos drones

Outros fenômenos perigosos são a chuva, pois a maioria dos Drones não são a prova d’água e aí aproveitando a deixa já podemos citar a cerração e a alta umidade do ar que também podem danificar os componentes eletrônicos.

Solução: Acompanhe sites de meteorologia e respeite os limites de resistência ao vento especificados pelos fabricantes. Em caso de chuva repentina, recolha rapidamente o seu Drone e seque-o o mais rápido possível com um pano seco, sem utilizar secadores de cabelo.

Caso o vilão seja o vento, faça movimentos perpendiculares a ele, ou seja, tentando cortá-lo e evitando voar totalmente contra a corrente de ar.

Alerta de campo magnético no DJI GO pode causar problemas nos drones6 – Interferência Magnética

Torres de alta tensão, turbinas, capacitores, ferragens e até minerais no solo podem gerar um campo magnético que pode te fazer perder o controle do seu Drone. Normalmente os Drones começam a alertar a presença de campos magnéticos via mensagens na telemetria, quando sofrem influência em suas bússolas.

Os Drones não conseguem manter a condição de voo sem o bom funcionamento de suas bússolas, porém mesmo após uma série de alertas, alguns pilotos prosseguem com a missão que pode terminar em perda de controle da aeronave.

Solução: Afaste seu Drone imediatamente do local onde há o aviso de campo magnético ou erro de bússola. Realize nova calibração das bússolas e do IMU do Drone sempre que sofrer influência de um campo magnético.

7 – Voos indoor

Muitas pessoas cometem o erro de tentar pilotar o seu novo Drone dentro de casa, assim que retirou da caixa. Voar em um ambiente fechado pode não ser uma tarefa fácil mesmo para pilotos mais experimentados, pois pode haver um deslocamento irregular de ar, interferência de aparelhos eletrônicos e muitos mas muitoooosss obstáculos.

Já tivemos relatos em nossa assistência técnica de um cliente que ligou sem saber o modo Sport de um DJI Phantom 4 dentro da sala de casa, o que causa o desligamento automático dos sensores de obstáculo e uma pancada forte do Phantom contra a parede.

Solução: Leia sempre o manual do seu Drone e faça o primeiro teste em um local aberto e com bastante espaço para que você tenha tempo de ação caso algo saia errado. Contenha sua ansiedade!

8 – Esquecer de remover ou de colocar o protetor de gimbal

Estes erros são clássicos e podem acreditar, acontecem com muita gente, mesmo depois de muita experiência de voo.

Na pressa de fazer uma decolagem para não perder um momento, o piloto acaba ligando o Drone sem retirar a trava do gimbal, o que acaba forçando e sobrecarregando motores, eixos e o famoso cabo flat (famoso por sempre dar problemas) do estabilizador da câmera.

Não esquecer de tirar a trava do gimbal pode causar problemas nos drones

Não quer dizer que isso vai certamente danificar o gimbal, mas existe a possibilidade.

Da mesma maneira, pilotos descuidados ao finalizarem o trabalho ou ao se deslocarem para outro local com o Drone, esquecem ou não colocam propositalmente o protetor do gimbal, gerando uma torção ou movimento que os componentes do gimbal não são preparados para aguentar. Esta atitude com o tempo acaba danificando o gimbal e o valor de conserto é sempre salgado.

Solução: Insira no seu checklist de pré voo a retirada da trava do gimbal ou coloque uma fita amarrada no gimbal, que te faça lembrar que não dá pra iniciar o drone sem retirar a proteção.

9 – Presumir que o sensores de visão estão ligados e funcionando

Os Drones da DJI possuem sensores de visão para estabilização, conhecidos com Vision Positioning System – VPS e sensores anti-colisão. Os sensores de estabilização ajudam a manter a posição do Drone quando este está até 10 metros de altura, já os sensores anti-colisão impedem que o Drone se choque com obstáculos, tanto em uma pilotagem manual ou quando o Drone está efetuando um Return to Home.

Sensores do drone desligados

Porém, mesmo estes sensores estando ligados, eles não salvarão seu Drone de um acidente em todas as situações. Exemplos: Estes sensores não funcionarão a não ser que você esteja em ótima condição de iluminação, portanto em um voo noturno os sensores não funcionariam. Da mesma maneira não funcionariam com o Modo Sport ativado.

Solução: Há duas maneiras de verificar o funcionamento dos sensores, sendo que a primeira é pelos LEDs de status do Drone (parte traseira) que ficarão piscando lentamente em verde, caso esteja em modo GPS ou ficarão piscando lentamente em amarelo caso esteja sem GPS. O outro jeito de verificar é pelo DJI GO 4, que possui um ícone de status dos sensores de visão.

10 – Presumir que o sensor de obstáculo pode detectar qualquer coisa

Objetos finos como fios, galhos de árvores e superfícies transparentes como janelas de prédios não serão facilmente detectados pelo sistema frontal do seu Drone. Quedas por colisões com estes tipos de objetos são muito comuns ou por excesso de confiança do piloto ou por realmente não perceber a presença do obstáculo.

Solução: Faça um voo seguro e nunca dependa totalmente dos componentes e sistemas de segurança do seu Drone. Um piloto experiente evita riscos que possam colocar a prova o bom funcionamento da aeronave.

 

Por: Leonardo F. Minucio
Diretor e Co-Founder da Futuriste

Colaboração: Equipe Futuriste

8 comentários em “10 erros mais comuns que podem causar queda ou problemas nos drones

  • outubro 1, 2018 em 7:07 pm
    Permalink

    Onde fica a loja física de vcs, pois tenho um PH2 vision plus e sofreu uma queda e consequentemente danificou a câmera e não está transmitindo imagem.

    Resposta
    • outubro 8, 2018 em 1:17 pm
      Permalink

      Olá Rinaldo, estamos localizados no bairro do Ipiranga, São Paulo.
      No entanto não damos mais manutenção na versão 2 do Phantom porque está impossível de achar peças.

      Um abraço!

      Resposta
  • outubro 4, 2018 em 1:50 pm
    Permalink

    Parabéns, ótimo checklist

    Resposta
  • outubro 6, 2018 em 10:10 am
    Permalink

    As informações foram excelentes e demonstram o alto nível da empresa e seus profissionais. Isto justifica os prêmios que são recebidos pela empresa durante sua trajetória no ramos de drones.

    Resposta
    • outubro 8, 2018 em 12:20 pm
      Permalink

      Agradecemos, Arnaldo! Um abraço!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *